Turbantemania

Os turbantes viraram moda em Paris

Em qualquer lugar se vê alguma mulher usando o acessório como tendência de moda.

Mas o complemento despertou polêmica sobre apropriação cultural.
Símbolo da cultura negra e diretamente associado a rituais religiosos de matriz africana, o uso do turbante está – ou deveria estar – vinculado a uma reflexão madura, antes histórica do que estética, sobretudo por parte de mulheres brancas.

Mas segundo o livro “História ilustrada do vestuário” (Publifolha) de Melissa Leventon, há referências sobre o uso do adereço entre homens e mulheres, em diferentes épocas, por diversas etnias e com vários significados e não só pelos povos africanos.

Existe uma clara diferença entre o turbante africano e os truques de styling para uso de lenços.

São duas coisas diferentes e por isso nem vale a pena entrar no debate quando a discussão gira em torno de uma tendência passageira na moda.

Dolce & Gabbana costumam bordar Santas Cristãs em suas roupas e aparentemente a Igreja Católica parece não se importar, ou entender que não “diminui” o respeito aos dogmas religiosos por se tratar apenas de um vestuário.

Mas acho interessante que as “modernas” que adotarem o uso do turbante conheça suas origens e significados contidos no complemento.

O turbante é um símbolo étnico de culturas da Ásia, África e também da Bahia

O turbante podia indicar a origem, tribo ou casta da pessoa, identificar a religião ou a posição social

O turbante consiste em uma grande tira de pano enrolada sobre a cabeça, e de uso muito comum na Índia, no Bangladesh, no Paquistão, no Afeganistão, no Oriente Médio, no Norte da África, no Leste da África, no Sul da Ásia e em algumas regiões da Jamaica.

Existem inúmeras formas de amarrações, cada uma pode passar uma mensagem diferente – pode indicar a classe social, a tribo e até mesmo o humor.

No Oriente Médio um turbante pode ter até 45 metros de extensão.

A origem deste acessório é desconhecida, mas sabe-se que já era usado no Oriente muito antes do surgimento do islamismo.

Os sikhs, que não são nem muçulmanos e nem árabes, constituem a maioria das pessoas que usam turbantes no mundo ocidental.

O atavio também é comum nas religiões tradicionais africanas, afro-americanas e afro-brasileiras, podendo ser de vários tipos e cores.

A Europa também aderiu primeiramente entre marinheiros e navegadores, mas no século 18, o turbante tornou-se item de moda para as francesas. Feito com grande quantidade de tecidos leves arranjados cuidadosamente na cabeça das damas, o enfeite foi sucesso até meados do século 19.

No Brasil, o atavio chegou pelas mãos dos africanos que eram trazidos como escravos. As mucamas usavam turbantes nas cabeças não como trajes da “moda”, até porque, havia uma série de restrições legais e econômicas que limitavam as suas escolhas.

Carmem Miranda, a rainha dos turbantes

Muita gente pensa que Carmem Miranda inventou o turbante, mas ele já era usado no Oriente bem antes do surgimento do islamismo.

Carmem apenas colocou este acessório em cena popularizando-o na moda ocidental da década de 1940.

Turbantes Eles vão fazer a sua cabeçaTurbantes Eles vão fazer a sua cabeça

Seus famosos turbantes foram vistos nas cabeças mais famosas do planeta.

Greta Garbo, Coco Chanel, Elizabeth Taylor, Gloria Swanson, Simone de Beauvoir e até mesmo a rainha Elizabeth usaram turbantes e algumas fixaram suas imagens com este tipo de adorno.

A costureira Madame Grés usava o turbante como marca pessoal, não tirava nunca.

Depois de aparecer enfeitando Beyoncé, Kate Moss e Salma Hayec, os turbantes invadiram as ruas

Turbantes Eles vão fazer a sua cabeça
Beyoncé veio ao Brasil com turbante.

Turbantes Eles vão fazer a sua cabeça Turbantes Eles vão fazer a sua cabeça

Salma Hayec e Kate Moss adotaram turbantes.

Turbantes Eles vão fazer a sua cabeça Turbantes Eles vão fazer a sua cabeça

Sarah Jessica Parker também é fã deste complemento.

Além de super originais, são ótimos para o dia do famoso “bad hair day” (quando os cabelos se rebelam).

São práticos e deixam qualquer look básico mais sofisticado.

O turbante pode compor um visual mais casual, pode ser usado em uma festa ou até mesmo na praia para proteger os cabelos.

Curiosidades do turbante

A história do turbante na moda começou bem antes, no início do século XX

Paul Poiret, o pioneiro a usar turbantes na moda

Turbantes Eles vão fazer a sua cabeça Turbantes Eles vão fazer a sua cabeça

Por volta de 1920, o costureiro francês Paul Poiret trouxe de volta ao cenário fashion, os turbantes.

A moda, porém, só se popularizou no final dos anos 1930, com a eclosão da Segunda Guerra Mundial.

Em tempos difíceis, o acessório foi um excelente aliado para disfarçar cabelos mal cuidados.

Os lenços nos croquis de Paul Poiret, estilista que tinha a cultura do Oriente Médio como uma de suas maiores inspirações.

Turbantes Eles vão fazer a sua cabeça

Turbante anos 1970

Turbantes Eles vão fazer a sua cabeça

Nos anos 1970 os turbantes voltaram, junto com a onda hippie e a mistura com o boho.

Agora eles amarram cabeças de famosas e coleções nas passarelas.  

Turbantes Eles vão fazer a sua cabeça