Sneackers Destroyed

Os tênis sujos e destruídos (mas novos) estão na moda.

É, o “novo” tênis branco precisa aparentar encardido!

Assim como nos anos 1990, em que se davam pontapés na parede para criar nas botas Doc Martens um aspecto mais usado e destruído, os tênis modernos também precisam mostrar muitos quilômetros rodados.

O reinado dos brancos impecáveis mostra sinais de fraqueza com a escalada de uma nova tendência nos pés dos modernos: o sneacker destroyed.

E sim, tem que ser branco!

Depois da onda do tênis limpo e super clean – meio impraticável na vida atual, é hora de criar histórias mesmo nos modelos novos.

Esqueça aquela regra de que seus sapatos precisam estar sempre limpinhos.

A trend atual é usar os tênis com “sujinhos” fakes, do jeito que só uma bela caminhada ou uma partida de tênis podem marcar.

O resultado é grunge -que ainda está em alta, e veste legal com jeans e com todas as peças de verão.

O exótico é que mesmo com aparência de gastos as novas modelagens internacionais custam de 500 a 800 dólares, e pasmem, está vendendo mais que Coca Cola no deserto.

A marca Golden Goose é famosa por ter sido a primeira a dar um toque de “usado” em seus calçados com manchas pretas espalhadas e sola suja e desgastada.

Criada pelo casal Francesca Rinaldo e Alessandro Gallo em 2003, a Golden Goose tem corners em lojas de luxo como a Barney’s, em Nova Iorque, e seus “sneackers gastinhos” já vestiram pés de celebridades como Hilary Duff e Reese Witherspoon.

A Saint Laurent aproveitou esta tendência em seu desfile da coleção primavera/verão 2016, colocando modelos em sneackers brancos sujos e destruídos, andando chiquérrimos pela passarela.

A irreverente Balenciaga aproveitou a onda e lançou mais um item polêmico: o tênis ‘sujo’ da linha Triple S que custa aproximadamente, U$795.

O valor salgado fez a galera reagir de forma negativa no Twitter.

“Por que as pessoas estão pagando U$795 nesse novo Balenciaga quando você pode encontra-lo perdido na sua escola por U$ 0? ”

A Maison Margiela também causou polêmica com um sneaker todo destruído, mas todo destruído mesmo -como atacado por algum animal selvagem, embora novinho em folha.

À primeira vista, pode parecer que a peça foi feita na doideira, mas existe uma boa intenção nesta detonação.

O tênis foi customizado com uma navalha para que o estofamento amarelo de dentro se destacasse e os rasgos cobertos com fitas.

A loja Neiman Marcus está vendendo esse tênis da Maison Margiela por U$ 1.421.

Essa desconstrução da peça faz alusão ao trabalho de Martin Margiela dos anos 1980, que foi inspirado pela Comme des Garçons, da estilista Rei Kawakubo

Sob direção criativa de John Galliano, a marca ainda vende versões intactas do produto, que estão disponíveis também na Neiman Marcus e custam U$ 895.

Atenção, o tênis original custa US$ 895 e a versão destruída quase o dobro, US$ 1.425. O que comprova que os “destroyers” estão em alta.

Na passarela Resort 2018 da Gucci, a tendência do tênis sujo foi confirmada. Também andou firme nas propostas das mega influentes Miu Miu e Chanel.

Mas a verdade é que sneacker detonado não é uma ideia pioneira: qualquer amante de All Star gosta dos seus ténis bem usados.