Revolução Colorida

Homens coloridos

 A cor destaca e favorece

Na suas próximas compras invista um tom a mais em algumas peças do seu guarda-roupa

Os homens ainda têm serias restrições com as cores.

Muitos ainda acham que roupas coloridas podem produzir um visual efeminado.

Pura bobagem.

Cores enfeitam e melhoram um rosto cansado.

Na natureza as cores são neutras, assexuadas ou bissexuais

Tanto o papagaio macho quanto à fêmea têm as mesmas cores: verde, amarelo, vermelho e algumas penas azuis.

A cor rosa é idêntica nos flamingos dos dois sexos.

E quando há diferenciação de cores entre os sexos, sempre os machos ostentam cores mais vivas, vibrantes e escandalosas do que as fêmeas: o pavão, a ave do paraíso, o canário belga e mesmo o galo, são exemplos de que a natureza carregou mais nas cores masculinas.

Segundo os chineses, as cores ampliam ou restringem o Chi, energia vital, do ser humano

Elas afetam o nosso equilíbrio energético e, portanto, torna-se essencial que estejamos conscientes da importância da sua escolha.

Pessoas que insistem muito nos tons neutros, tanto nas roupas como na decoração das casas, muitas vezes revelam apenas o medo de expressar a sua alma para o mundo.

Cores são ondas eletromagnéticas de diferentes comprimentos que influenciam o ser humano.

Ao usamos a cor cuja vibração está adequada à circunstância, criamos maiores chances de êxito a nossa volta.

Entre os humanos na maioria das culturas, as mulheres são mais enfeitadas do que os homens

Se maquiam, usam roupas coloridas, cabelos e unhas pintadas, jóias com metais e pedras brilhantes.

Para os homens sobram as cores escuras: preto, cinza, marrom, sem pintura no rosto, no máximo um relógio no pulso.

Um tom a mais

 

Após a revolução sexual dos anos 1960 e a expansão da moda unissex, as cores perderam um pouco de sua rigidez sexista, mas nem sempre os homens foram tão contidos.

Antigamente, entre os nobres da Europa, Ásia e África, mesmo entre os índios das três Américas, as roupas masculinas eram multicoloridas, abundavam brincos, perucas, leques, muita renda, pluma e brilho.

Um desbunde total.

Portanto, cor de homem, de mulher ou de gay, não é determinada pela natureza, mas por convenções culturais, que variam de sociedade para sociedade e ao longo do tempo dentro de nossa própria cultura.

Um exemplo?

O preto, que era sinal de luto no tempo de nossos avós, hoje virou dark e chique.