Previsões para 2018: Neo-Minimalismo

Era natural que depois de quase uma década de roupas ornamentadas a moda desse uma guinada, afinal no universo fashion, para toda a ação existe uma reação

O minimalismo está virando um assunto cada vez mais comentado no mundo da moda.

Está muito ligado com o conceito do slow fashion e do consumo consciente.

O estilo – que está mais para estilo de vida e não só de moda – procura otimizar as peças do guarda-roupa e transformá-lo em algo mais atemporal e versátil.

Já é possível notar uma tendência a imagens de moda mais limpas de detalhes ou enfeites supérfluos nos estilistas mais influentes.

A moda minimalista é sofisticada no shape, na alfaiataria, na atemporalidade, tecnologia, cartela de cores reduzida e a estética clean de apelo geométrico.

A coleção alta-costura da Valentino deu um preview do novo Minimalismo

Linhas mais simples em homenagem à beleza clássica

Foi o primeiro desfile solo de Pierpaolo Piccioli  na coleção de alta-costura da Valentino, sem Maria Grazia Chiuri, sua parceira de outas coleções (que foi dirigir o estilo da Christian Dior).

O desfile rolou dia 25 de janeiro de 2017.

O neo-minimalismo se parece com o movimento normcore (roupas normais) , mas têm diferenças

A ideia do novo minimalismo não é ir “contra” a moda, mas ser mais consciente sobre ela.

Além disso, no normcore as peças costumam ser mais confortáveis e/ou largas.

No minimalismo  peças mais chiques e ajustadas, contanto que sejam atemporais.

Quando a economia entra em crise a moda se torna menos ornamentada e com mais qualidade, já que o consumidor nestes períodos de grana curta prefere gastar em peças de maior durabilidade no guarda roupa.

Menos é mais

Lembra deste mantra que embalou os anos 1990?

Menos é mais vem a ser o primeiro mandamento do conceito do minimalismo.

A moda minimalista se inspira em uma tendência das artes visuais popularizada do final dos anos 1950 e início dos 1960 em Nova York.

Um quadro de 1913 do pintor russo Kasimir Malevich (que mostra um quadrado preto sobre um fundo branco) serviu meio século depois para o desenvolvimento do minimalismo na arte.

A “minimal art” traduz formas elementares, em geral de corte geométrico e que recusa adereços ilusionistas ou sem finalidade estética.

Limita-se ao essencial; é puramente abstrata, objetiva, anônima, isenta de decorações de superfície ou gestos expressivos.

A pintura e o desenho minimalistas são monocromáticos e com frequência baseados em grades e matrizes lineares matemáticas.

Minimalismo na moda

A influência na moda parte de ideias como despojamento, simplicidade, neutralidade, elementos geométricos, superfícies lisas, cantos angulosos, pontas e assimetrias que podem aparecer em detalhes nas roupas e acessórios.

O conceito de minimalismo está intimamente ligado à ideia de economia, de usar o mínimo de materiais, poupando decoração, emoção e energia.

Despir o exibicionismo contra as regras atuais do consumo, na qual tudo deve ter um caráter ou imagem espetacular.

Fábulas da moda como Calvin Klein, Narciso Rodriguez, Olivier Theyskens, Helmut Lang, Nicolas Guesquiere, Givenchy, Rochas, Dries Van Noten e a influente Prada entre outros, já se abasteceram da arte do minimalismo em seus lançamentos.

Chanel foi a primeira minimalista da moda

Ela minimizou (e modernizou) o shape feminino, libertando as mulheres de espartilhos, chapéus imensos, roupas extremamente trabalhadas e pesadas.

A retomada desta tendência na forma e materiais empregados flerta de perto com a estética industrial e também com o futuro previsto em filmes de ficção cientifica.

Tudo mais limpo, mais reto, mais geométrico com poucos detalhes e até mais “recatado”.

Mas atenção.

Minimalismo não tem nada a ver com os básicos do dia a dia.

Básico até pode ser minimalista, mas o conceito é mais amplo que o da “moda básica” que em muitos casos pode parecer “pobre” visualmente.

Já o minimalismo é simples, mas eternamente sofisticado.

Cores

A monocromia pega pesado no preto e branco e no prata metálico, tons neutros, cores da natureza, branco, off-white, beges, cinzas, violeta, o lilás e o novo rosa blush.

Mas os novos criadores minimalistas acrescentaram uma cartela de cores acidas e vivas as tradicionais cores neutras conferindo mais argumentos a esta estética que briga pelo simples, mas vai estar com tudo nas futuras estações.