Paixão pelo Decote Coração

O Verão 2018 está apaixonado pelo decote em forma de coração

O decote que lembra o amor está de volta nas passarelas mais amadas pelas consumidoras de moda

O Amor está no ar

Não é de hoje que o coração é associado às mais profundas emoções humanas – na verdade, esse conceito é bastante antigo.

Existem relatos que comprovam que Aristóteles já se referia ao órgão como o centro das atividades emocionais do corpo humano.

O decote de coração se assemelha ao decote que encontramos nos soutiens meia taça e possui esse nome justamente por lembrar muito a parte de cima de um desenho de coração.

Esse tipo de decote pode ser usado em diversos tipos de roupas, desde camisetas a vestidos e ultimamente está aparecendo bastante nos vestidos de festas (red carpet)  e noivas por dar um ar de romance sugerida pelo formato.

Para as que querem usar tomara-que-caia, mas não tem as manhas, o formato coração pode levar um aro (assim como nos soutiens) que resulta  mais sustentação da peça no corpo.

Porque este formato de decote é chamado de coração?

Desde os egípcios o coração era uma parte do corpo na qual residiam o espírito e intelecto.

Era o único órgão não retirado dos cadáveres nos processos de mumificação.

Já os gregos usavam a mesma simbologia para falar de regeneração – quando o assunto era o amor mais carnal, a representação era feita pelo deus Eros.

Mas a forma gráfica do coração do amor nada tem a ver com o órgão de fato

A simbologia do coração, como a conhecemos hoje, teve seus primeiros registros em meados dos anos 1400, quando apareceu no baralho europeu, representando uma categoria de cartas vermelhas.

A forma, porém, já é mais difícil de entender, pois existem várias explicações possíveis e diferentes uma da outra; com a falta de um registro para explicar isso, é mais complicado saber qual versão é a verdadeira.

A primeira hipótese trabalha com uma representação nascida na África, em Cirene, para simbolizar uma flor já extinta do gênero Silphium, que era também

usada como alimento e contraceptivo.

A vagem dessa planta tinha formato semelhante ao desenho de coração que conhecemos hoje.

Esse símbolo logo passou a ser associado com sexo e, depois, com amor.

Outras hipóteses sugerem que a forma do coração popular simboliza algumas regiões da anatomia feminina, como o monte de vênus, a vulva, os seios ou até mesmo as nádegas.

Além das questões anatômicas, acredita-se que esse formato de coração que conhecemos hoje possa ter vindo de alguma tentativa frustrada de reproduzir o órgão original.

Já a igreja católica afirma que essa forma surgiu após os relatos de Santa Margarida Maria Alacoque, que tinha visões do Sagrado Coração de Jesus.

As visões da santa, porém, aconteceram depois de 1600, quando o formato já tinha sido documentado.