ARTES PLÁSTICAS

Plástico como material de destaque no verão 2018 da Chanel

Chanel “embrulhou” tailleurs e vestidos em capas e acessórios de PVC  prevendo um verão úmido.

Em um jogo de transparência e iridescência, o plástico apareceu nas luvas, botas e maxibolsas.

Os colares e pulseiras de cristal enormes com a mesma proposta transparente do plástico.

Capas de plástico também protegeram jeans loose bicolores, estampas de céu, looks em cores post it, paetês que dão efeito molhado, minissaias plissadas de tenista e minitubinhos na coleção.

Plástico na moda

Com a popularização das impressões 3D, o plástico parece ser o material mais adequado para o figurino do futuro.

Imagine encomendar uma bolsa Chanel e ela se materializar na sua impressora 3D, ou um vestido incrível que é confeccionado pela tecnologia. 

A moda anda sempre atrás de novos materiais para renovar soluções já testadas em matéria de modelagens, estilos e tendências.

Matérias primas inovadoras e muitas vezes alternativas são diariamente testadas em busca de propostas que se tornem “consumo”.

Roupas ou tecidos trabalhados com silicone, látex, borracha, couro biológico, micro fibras, tecidos feitos com fios de metal ou lixo reciclado, fibras naturais de outras fontes como as teias de aranha ou folhas de bananeira parecem experiências de algum estilista enlouquecido e super alternativo, mas é a busca pelo inédito que faz a moda tão interessante e renovadora.

Matéria Plástica

Por Xico Gonçalves

 

O plástico é destaque para o Verão 2019

Parece que a moda está tentando melhorar a imagem deste material versátil e que é impossível viver sem.

Qualquer coisa que você toque durante o dia, certamente grande parte foi feita de plástico.

O que assusta os ambientalistas não é o uso do material, e sim do descarte.

Materiais sintéticos demoram muito para se decompor na natureza, mas também duram muito no uso.

Com os movimentos de reciclagem e upcycling o plástico começa a ser visto com bons olhos, tanto que no Pinterest, o número de pins salvos sobre peças de moda feitas neste material teve um aumento de 110% no último ano.

 

O Futuro é plástico

Com a popularização das impressões 3D, o plástico parece ser o material mais adequado para o figurino do futuro.

Imagine encomendar uma bolsa Chanel e ela se materializar na sua impressora 3D, ou um vestido incrível que é confeccionado pela tecnologia.

A moda anda sempre atrás de novos materiais para renovar soluções já testadas em matéria de modelagens, estilos e tendências.

Matérias primas inovadoras e muitas vezes alternativas são diariamente elaboradas em busca de propostas que se tornem “consumo”.

 

Sólido, flexível e transparente

O plástico é uma substância que se assemelha a resina e é moldado por pressão e calor para criar uma série de utilidades para as necessidades do dia a dia, inclusive no vestuário, desde botões até bolsas e sandálias.

Hoje completamente absorvido pela sociedade de consumo e pela moda, pareceu um “E.T.” ao ser lançado.

Em 1869, o tipógrafo americano John Wesley Hyatt, para substituir o marfim na fabricação de bolas de bilhar – esporte tão popular que já ameaçava a população de elefantes – descobriu um material a base de nitrato de celulose sólido e flexível.

Daí para o material ocupar o papel de destaque que tem atualmente foi apenas questão de tempo: a produção mundial de plástico passou de 1,5 milhão de toneladas em 1950 para 265 milhões de toneladas em 2010.

 

Artigo de luxo

A partir de 1930, artistas e designers de vanguarda começaram a explorar o que chamaram de “material miraculoso”, pela maleabilidade e infinitas possibilidades em cor e textura.

Peças feitas em baquelite, celulose ou acrílico se tornaram símbolo de status e avant-garde.

Na moda a costureira francesa Elsa Schiaparelli fez vestidos em celofane transparentes, bolsas e botões de plásticos.

Na decoração, o interior do Radio Music Hall, em Nova York e do transatlântico Queen Mary eram modernamente laminados com plástico.

Relógios e bolsas foram produzidas em baquelite, assim como solas de sapatos, cadeiras, cinzeiros e o que mais se pode imaginar feito em plástico.

Com tantas utilidades o que na época era considerado material de vanguarda e refinamento acabou atingindo as massas.

Nos anos 1960 o estilista André Courrèges foi um dos pioneiros a incorporar vinil e PVC em sua moda futurista.

O plástico virou moda em capas e vestidos de PVC e vinilícos propostos também por estilistas da vanguarda como Pierre Cardin e Paco Rabanne.

Por suas características, o plástico era perfeito para o estilo “espacial” da moda destes estilistas.

 

Divertido para tempos sem graça

Uma bolsa, calçado ou uma mochila desses materiais combinam com praticamente tudo porque são transparentes e geram um interesse incomum por serem poucos usuais.

Chanel foi a primeira grife moderna a “embrulhar” tailleurs e vestidos em capas e acessórios de PVC durante seu lançamento verão 2018, no Grand Palais, em Paris.

Em um jogo de transparência e iridescência, o plástico desfilou vitorioso.

O material já vinha sendo foco de algumas marcas como a Burberry, que criou uma coleção inteira de capas de chuva e a Prada que testou o material em sapatos e bolsas, mas a Chanel levou a tendência do plástico a um novo patamar.

A série de botas, bolsas, chapéus, luvas e mais capas da maison francesa transformou o PVC em tendência internacional.

Embora o material não combine muito com o calor e cause polêmicas ambientais, a transparência é o que encanta.

Peças em vinil ou PVC já desceram das passarelas e estão andando pelas ruas em acessórios e roupas com visual futurista.
Mesmo as mais radicais vão simpatizar com o plástico transparente ou iridescente, já que é o material mais inédito mostrado pela moda.

Apesar de pouco prático para um país tropical como o Brasil, funciona como um desafio ao olhar,

 

O material isola o calor

O suor dos pés pode gerar mau cheiro.

Se o visual não permite usar meias, seque bem o suor dos pés e use como palmilha um absorvente intimo descartável colando dentro do calçado de plástico.

O truque ajuda a evitar o suor excessivo e também dar um conforto extra quando o calçado estiver “caindo” dos pés por estar úmido ou frouxo.

Os minis absorventes podem ajudar a deixar o par mais justo no pé, inclusive, você pode colar mais de um.

 

Manutenção das peças em PVC

Antes de aderir a esta tendência, é importante saber que o plástico – especialmente roupas e acessórios – necessitam de cuidados especiais.
Especialistas recomendam nunca colocar na máquina de lavar e muito menos na secadora.

Dicas para manter os artigos nesse material

  • Não esticar;
    •Limpar a mão com pano úmido ou lavar com sabão neutro;
    •Secar à sombra ou com um pano limpo – no sol, ela pode deformar;
    •Guardar separado das demais peças, já que os artigos de plástico podem transferir a cor;
    •Use cabides em lugares arejados, onde estas peças não ficam espremidas;
    •Para manter o brilho, usar silicone líquido.

 

Adote já

  • Uma peça de plástico, seja um vinil ou PVC, pode não ser fácil de combinar com as roupas já existentes no guarda-roupa, por isso antes de aderir à tendência, é preciso analisar o estilo pessoal.
  • Para pessoas mais discretas, bolsas e acessórios são o ponto de partida, já para os modernos a brincadeira vai longe
  • Para aderir à moda no vestuário invista em uma capa de chuva. Além de protegida, vai estar na moda.

O sucesso do plástico no Brasil

As brasileiras já se habituaram a moda em plástico.

A Melissa da Grendene foi praticamente a pioneira em moda feita de plástico.

Antes do sucesso das Melissas, o que existia em plástico eram as sandálias Medusa (méduses) francesas, hit nos anos 1970, vendidas no Rio de Janeiro na butique de Sônia Bernardo em Copacabana.

Vinham da França em cores leitosas, no tom da Coca-Cola e em vermelho, que fazia muito sucesso.

As sandálias medusa eram usadas por europeus nas praias para que não ferissem os pés nas pedras ou ouriços.

As praias francesas não têm areia e a as pedras redondinhas machucam pés nus.

Nos anos 1970 foram adotadas pelos jovens como calçados urbanos e se tornaram moda.

 

 

 

O Novo Plástico Verde

A empresa Braskem, maior fabricante de resinas termoplásticas das Américas já produz peças exclusivas em impressão 3D com Plástico Verde, para demonstrar que o plástico pode contribuir com a sustentabilidade no mercado de moda.

O Plástico Verde foi desenvolvido com tecnologia brasileira, tem a cana-de-açúcar como matéria prima e seu principal diferencial é a contribuição para a redução da emissão dos gases do efeito estufa na atmosfera, já que captura gás carbônico durante o processo de crescimento da cana, além de se deteriorar facilmente.

A coleção da “La Garçonne” que foi apresentada em 16 de março de 2017, mostrou pulseiras e botões totalmente personalizados e confeccionados na impressora 3D da “Made In Space”, parceira da Braskem no projeto “Imprimindo o Futuro”, que levou o plástico de origem renovável para a impressão 3D, em gravidade zero, na Estação Espacial Internacional, no ano passado.
Usado pela primeira vez na moda, o Plástico Verde tem total aderência com a proposta da moda sustentável em cima de conceitos de preservação ambiental, reciclagem, upcycling e reúso.

Passarelas Plastificadas

Desfile da Burberry do inverno de 2011 e da Chanel com capas de plástico em cima dos maiôs

Matéria plástica
Roupas de plástico e vinil: veja como usar a tendência no dia a dia

Grandes marcas e estilistas vêm produzindo peças sintéticas que se tornam itens de desejo


Peças em vinil ou PVC saem das passarelas e chegam às ruas em acessórios e roupas como saias, jaquetas e vestidos com visual futurista.
Mesmo as mais radicais vão simpatizar com o plástico transparente ou iridiscente, já que é o material mais inédito mostrado pela moda e está tendo muita popularidade.
Nas passarelas com as tendências de Verão 2018/2019, a Chanel mostrou acessórios como botas e chapéus confeccionados com plástico transparente.
A Balmain e Valentino foram além e usaram o material para dar um efeito molhado a saias e casacos luxuosos.
Burberry e Salvatore Ferragamo deram um toque de estilo às capas de chuva também em PVC.
Embora o material não combine muito com o calor e cause polêmicas ambientais, a transparência é o que encanta!..
Uma peça de plástico, seja um vinil ou PVC, pode não ser fácil de combinar com as roupas já existentes no guarda-roupa.
É por isso que antes de aderir à tendência, é preciso analisar seu estilo pessoal e verificar se a nova peça harmoniza com o que já existe.
Para pessoas mais discretas, bolsas e acessórios são o ponto de partida, já para as modernas o céu é o limite.
A ideia é incorporar o plástico nos looks aos poucos: primeiro, é recomendado apostar em uma sandália ou bolsa.
Depois, procurar peças mais versáteis, como saias e jaquetas. Uma dica para aderir à moda sem medo é investir em uma capa de chuva mais fashion e usá-las nos dias mais quentes, em que as chuvas estão presentes. Além de protegida, você estrá na moda.
Para não errar no look
Antes de aderir a esta tendência, é importante saber que o plástico – especialmente roupas e acessórios – necessitam de cuidados especiais.
Especialistas recomendam nunca colocar na máquina de lavar e muito menos na secadora. 

Dicas para manter os artigos nesse material

•Não esticar;
•Limpar a mão com pano úmido ou lavar com sabão neutro;
•Secar à sombra ou com um pano limpo – no sol, ela pode deformar;
•Guardar separado das demais peças, já que os artigos de plástico podem transferir a cor;
•A dica é usar cabides em lugares arejados, onde estas peças não ficam espremidas;
•Para manter o brilho, usar silicone líquido.

Garret Pugh, outono inverno 2014/15

Matéria plástica

O plástico, hoje completamente absorvido pela sociedade de consumo e pela moda também pareceu um “E.T.” ao ser lançado.

O plástico é uma substância que se assemelha a resina e é moldado por pressão e calor para criar uma série de utilidades para as necessidades do dia a dia, inclusive no vestuário, desde botões até bolsas e sandálias.

O plástico foi introduzido no mercado por volta de 1870

Seu uso era estritamente industrial, sendo designado para produção de tampas dos distribuidores de automóveis e escovas de dentes.

Aos poucos, em pequena escala começou a substituir materiais naturais de alto custo como o marfim, casco de tartaruga ou a madrepérola.

A partir de 1930, artistas e designers de vanguarda começaram a explorar o que chamaram de “material miraculoso”, pela maleabilidade e infinitas possibilidades em cor e textura.

Peças feitas em baquelite, celulose ou acrílico se tornaram símbolo de status e avant-garde.

Na moda a costureira francesa Elsa Schiaparelli fez vestidos em celofane transparentes, bolsas e botões de plásticos.

Na decoração, o interior do Radio Music Hall, em Nova York e do transatlântico Queen Mary eram modernamente laminados com plástico.

Relógios e bolsas foram produzidas em baquelite, assim como solas de sapatos, cadeiras, cinzeiros e o que mais se pode imaginar feito em plástico.

Com tantas utilidades o que na época era considerado material de vanguarda e refinamento acabou atingindo as massas.

Nos anos 1960 o plástico voltou a moda em capas e vestidos de PVC e vinílicos propostos por estilistas da vanguarda como Pierre Cardin, Courrèges e Paco Rabanne.

Nos anos 1960, o estilista André Courrèges foi um dos pioneiros ao incorporar vinil e PVC em sua moda futurista.

Por suas características, o plástico era perfeito para o estilo “espacial” da moda do estilista.

A Prada foi uma das grandes responsáveis por emplacar sapatos e bolsas feitos com o material.

Antes do sucesso das Melissas,, da empresa Grendene, existiam as sandálias Medusa (“méduses”) francesas , hit nos anos 1970 e quem as vendia no Rio de Janeiro era a butique “Sônia Bernardo” em Copacabana.

Vinham da França e os homens preferiam as de cor leitosa.

Eu era apaixonado. Tinha duas, uma cor de Coca-Cola e outra vermelha que faziam muito sucesso.

As sandálias medusa eram usadas por europeus nas praias para que não ferissem os pés nas pedras ou ouriços.

As praias francesas não tem areia e a as pedras redondinhas machucam pés nus.

Nos anos 1970 foram adotadas pelos jovens como calçados urbanos e se tornaram moda.

Vanguarda

No Brasil a Grendene deu um tratamento de moda as sandálias de plástico convidando grandes nomes da moda para assinarem um modelo autoral, tornando-se a lançadora internacional neste segmento.

A marca brasileira de acessórios de plástico já fechou parcerias  com Vivienne Westwood, Gareth Pugh, Jason Wu e muitos outros.Nos recentes desfiles franceses para os lançamentos verão 2018, a Melissa vestiu os pés vanguardistas do desfile da Comme des Garçons, uma das marcas mais respeitadas no universo da moda, sendo uma das grifes responsáveis pelo estilo “pauperrisme” que revolucionou o mercado de moda nos anos 1980.

A grife fundada por Rei Kawakubo, uma das mais ousadas e conceituais da história da moda, ganhou até exposição no MET — a única dedicada a uma estilista ainda viva e trabalhando.Na collab, a japonesa criou duas versões de um mesmo modelo de sapato com salto quadrado: um total preto e outro que mistura a textura do plástico tradicional da Melissa com um pouco de serragem.