Verdes Anos

“Greenery” é o verde da moda, mas existem muitos outros tons fascinantes, e os próximos anos projetam um apelo enorme para esta cor que sugere a imagem das florestas, frutas deliciosas e uma promessa ecológica.

Conforme a Pantone “quanto mais as pessoas estão embrenhadas na vida moderna, mais desejam unidade com o mundo natural

emerald-green-pantone-color-of-the-year-2013-runway-looks-style-fashion-gucci-stella-mccartney-monique-lhuilier-michael-kors-spring-fall

A marca de cores Pantone fez um enorme estardalhaço neste tom tom comercial para 2017.

O “Greenery”, um verde alface, brilhante, fresco e revigorante e simboliza uma conexão com a natureza

ver

Desfiles da Emilio Pucci, Michael Kors e Balenciaga,  investiram neste tom

Existem 100 tons de verde catalogados

Quase todas as tonalidades  – grama, maçã, selva, azeitona, limão, sálvia, mental, esmeralda, jade – se referem a algo que não é feito pelo homem, mas que existe na natureza.

Os astrólogos associam o verde aos nascidos sobre o signo de Libra, pessoas aparentemente equilibradas, diplomáticas, sempre esforçadas em obter a harmonia.

O verde é a cor simbólica da natureza, do natural

Verde simboliza todas as coisas puras, frescas, honestas, saudáveis e biodegradáveis e é geralmente ligado a sustentabilidade. e ecologia.

Um cosmético verde também dá a entender que só usa produtos naturais.

A medicina verde é aquela que pretende curar com fitoterápicos.

Apesar de parecer que qualquer coloração exerce a mesma influência sobre os olhos, algumas teorias afirmam que o verde é mais bem percebido do que vermelho e azul.

Cor da vida, da fertilidade, da sorte e da burguesia.

Verde é saúde, é sagrado, mas também é inveja e venenoso.

Acalma, transmite segurança e esperança.

Mesmo sendo resultante da mistura do amarelo com o azul, é considerada uma cor primária e especial.

Curiosidades verdes

Apenas 2% da população mundial possui olhos verdes

Segundo pesquisas ao redor do mundo, adultos gostam mais da cor verde do que as crianças. É o tom predileto de 16% dos homens e 15% das mulheres, mas não agrada muito os jovens. Ele vai sendo mais apreciado conforme a idade, sobretudo pelos homens

Verde era a cor favorita de Napoleão e foi o que o levou a ruína. No início do século XX, o pigmento era produzido a partir do arsênico e foi proibido, já que o próprio Napoleão acabou envenenado pela substância da mesma cor. Em seu exílio, ele vivia em um ambiente todo verde, e por causa do componente usado para tingir a tapeçaria, forração, móveis e couro, o lugar que emanava vapores de alta toxicidade o matou.

Para os egípcios, o verde era a cor da pele do Deus Osíris. Ele é o Deus da vida e da morte, e é chamado também de “O grande verde”. Os animais verdes também eram sagrados. Foram encontrados nas pirâmides, milhares de crocodilos mumificados.

Vários nomes de pessoas são derivados da cor verde no mundo todo, como por exemplo, Flora (deusa das plantas e flores), Sílvia (selva em latim), Linda (nome de uma árvore alemã), Yvone/Yves (árvore teixo em francês), Olívia/Oliver (oliveira), Esmeralda (pedra), Lauro ou Lars (loureiro), Vito (witu – floresta em alemão).

As lojas da Prada em todo mundo são na cor verde seco pesquisada para proporcionar serenidade aos consumidores.

Verdes claros são ótimos também para banheiros e salas de reunião, já que tem um efeito calmante. Pessoas que trabalham em ambientes verde claro tem menos dores de estômago. A cor é associada com natureza, tranquilidade e descansa os olhos.

Médicos usam uniformes verdes (ou azuis) porque a cor é agradável aos olhos e ajuda a reduzir o brilho excessivo das luzes brancas. O verde também neutraliza a visão, a concentração e a sensibilidade.

A expressão “verde de raiva” vem da França, já que no país, a cor significa infelicidade. Muitos franceses jamais dirigiriam carros verdes, e se disserem “Je suis vert” (estou verde), significa que estão furiosos. Na Alemanha também é frequente ser citada como a cor da raiva.

A iguana possui uma pele verde e a usa como uma excelente fonte de camuflagem para os animais inimigos. Muitos anfíbios, répteis são verdes, especialmente porque as espécies vivem nas florestas tropicais, pântanos e outros ambientes naturais onde a umidade e a luz do sol criam clorofila em abundância para o seu esconderijo. Pássaros, peixes e borboletas também tem tons verde-brilhantes.

Na Índia, o verde significa felicidade; no hinduísmo, é a cor do chakra do coração. Lá, é costume que uma viúva nunca use verde. A cor que a maioria das religiões adota no país facilita a união das comunidades, porque para os muçulmanos e parsis, 15% da população, a cor é sagrada.

É a cor oficial da Irlanda, que recebeu apelido de “Ilha Esmeralda” por conta de suas lindas paisagens verdes e do catolicismo. Tem a ver também com o trevo de quatro folhas, símbolo do país e do Dia de São Patrício (santo católico – 17 de março), que explicava através da planta, a trindade do Pai, Filho e Espírito Santo.

No Islã, a cor é sagrada. Diz-se que o profeta Maomé usava vestimentas verdes para trazer a mensagem da esperança. A relíquia mais valiosa do Islã é a sandshak-i-sherif, a bandeira santa, que é verde e bordada a ouro. Outra explicação é que a palavra antiga na língua persa para ‘paraíso’ significa ‘jardim’. Num dos livros sagrados do Alcorão está escrito que as pessoas viverão nesse paraíso usando roupas de fina seda verde – uma ideia sem dúvida, cheia de entusiasmo para quem está no deserto.

Somente 1% dos compradores de carros do mundo preferem a cor verde para os seus automóveis. Na Rússia, 18% das pessoas preferem carros verdes, fazendo com que seja a segunda opção de cor atrás apenas do prata;

Você não encontra muitos carros verdes em pistas de corrida. Os que tem essa cor são considerados de azar. Quando se trata de carros usados, os tons em verde oliva não vendem muito bem, geralmente porque as pessoas o associam com carros do exército. Verde floresta, verde menta e verde azulado, vendem mais facilmente porque são cores mais chegadas ao azul.

Em culturas orientais, o tom tem valor excepcional, por ser relacionado com a cor natural da jade, pedra preciosa. Ele simboliza juventude, fertilidade e vida nova, mas também pode significar infidelidade e exorcismo. Na verdade, na China, chapéus verdes para homens são tabu porque eles dizem que suas esposas cometeram adultério.

No Japão, é vida e está ligado com a alta tecnologia.  Na Malásia, é associado com a ideia de perigo. Na Indonésia, foi tradicionalmente proibido, enquanto que no México significa a independência.

A grama é verde porque contém clorofila, substância necessária para o processo de fotossíntese através do qual as plantas criam açúcar ao sintetizar a luz solar.

Gatos tem a capacidade de enxergar o verde e o azul. O pigmento que colore a íris felina é a mesma melanina que colore os olhos humanos e, nos gatos ela tem as cores entre creme e laranja acobreada.

Pintores famosos como Cézanne, Monet, Van Gogh adoravam usar o verde-esmeralda em seus pinturas. Contanto, o pigmento possuía efeitos colaterais. Ele degradava espontaneamente, fazendo com que os quadros emanassem vapores à base de arsênico de alta toxicidade. Muitos dizem que a diabetes súbita de Cézanne – sintoma de um envenenamento, assim como os problemas emocionais de Van Gogh e mesmo a cegueira de Monet podem ser atribuídos a esse componente da tinta. No começo de 1900, o verde-esmeralda perdeu o seu lugar no mundo das artes. Até hoje, a cor é usada para tudo o que é venenoso.

Mondrian achava o verde uma cor supérflua. Kandinsky achava que não dizia muita coisa, nada exigia ou evocava, que era ausente de movimento, monótono, passivo. “Esse verde é como uma vaca gorda que está ali deitada, muito saudável, imóvel, capaz de se preocupar apenas com o seu constante ruminar, contemplando o mundo com um olhar letárgico e estúpido“, declarou.

Em muitos países, o verde pode ter conotações negativas. Na Europa, é associado com a inveja, e na Idade Média foi identificado como bruxaria e veneno. Isso se refletiu na reputação do absinto, a bebida alcóolica que foi proibida no início do século 20 baseado na suspeita de que um dos seus principais ingredientes, a losna, poderia conter uma substância psicoativa. No fim, não foi encontrada nenhuma prova disso e o absinto foi devolvido ao poder público em 2005.

O verde na bandeira do Brasil não se refere à floresta amazônica e sim às cores da Casa de Bragança, a família real de Portugal que estabeleceu o império do Brasil em 1822. Na bandeira da Nigéria, o verde simboliza a riqueza natural, enquanto na bandeira da Zâmbia, é agricultura.

Sinais e placas verdes são sempre amigáveis. Elas não proíbem nada, apenas tentam ajudar. Elas nos lembram que o produto não faz mal, respeita o meio ambiente, a saída que estávamos procurando na estrada está próxima, o lixo é reciclável, além de significar permissão: o semáforo verde pede para prosseguir, o green card dá o sinal verde para a pessoa morar nos Estados Unidos.

Em inglês um hit ou uma canção que não sai de moda é chamada de evergreen, transmitindo a sensação de nova, de frescor.

A ideia de esperança atribuída ao verde ainda vive porque está ligada a experiência da primavera. A esperança germina assim como a semente na primavera, significando a renovação após a escassez;

Nos quadros antigos, caso houvesse fundo verde, isso demonstrava que os retratados eram burgueses. A cor que os nobres costumavam usar é característica da burguesia porque para tingir tecidos na época, era preciso várias etapas e processos. Ser rico era sinal de “estofar-se”, vestir-se com mantos, tecidos de cores intensas e várias pregas.

A cor da embalagem e identificação do famoso analgésico aspirina é um verde azulado. Seu tom significa tranquilidade sem fadiga. A cor é a mais calmante de todas e traz o sentimento de estar em segurança.

Mesas de baralho e de bilhar são forradas com feltro verde, pois além de ser agradável aos olhos, a cor dá um bom contraste as cartas, dados e bolas perante os nossos olhos