Vestido para o calor

Personagem principal

Os lançamentos para o verão 2019/20 estão repletos de vestidos

Quando o mix das peças separadas mostra sinais de desgaste, é a hora dos vestidos.

Nas coleções e nas ruas eles estão desfilando em vários formatos e cores.

Uma seleção de estilos foram apresentados nas passarelas internacionais

Vestidos são importantes em qualquer guarda-roupa.

Do clássico a vanguarda, os vestidos se apresentam como a solução mais inteligente para termômetros altos, já que funcionam como as barracas do deserto, criando uma area que refresca o corpo.

Os estilos mostrados no hemisfério norte para o verão 2019/20 passeiam entre o tema boneca vitoriana- com vestidos muito elaborados, pintou também com detalhes em plumas, vestidos utilitários em tons terrosos (areia bronzeada, creme e kháhi), modelagens feitas como redes de pesca, vestidos amarelos (limão, manteiga e sombra), as camisolas (slipdress), o estilo Boho, com forte perfume da era hippie (inclusive com as estampas tie dye), sem deixar de destacar os vestido em petit pois, os novos curtos, os vestidos workers que pretendem ser super utilitários (também batizados de Multitasking- multitarefas ou safari), vestidos vitorianos e eduardianos, modelagens jersey sexy, os abotoados (chemisier), os brilhantes, vestidos com grandes laços, babados que continuam na moda (inclusive babado na barra, tipo cigana), os de broderi inglês, os brancos, decote de um ombro, metálicos (na estética dos anos 1980), glamorosos vestidos de cetim, cortes e detalhes inspirados no sportswear, vestido com alças quadradas, decotes em “V”, entre muitas outras opções.

Na visão dos estilistas os vestidos têm bons motivos para se manter no guarda roupa.

O ponto principal são os preços mais baixos: o vestido simplifica a confecção, custando menos que a produção de duas peças como tailleurs e trajes.

Outro apelo é o poder de sedução e a simplicidade das formas. Este despojamento permite mil coordenações de acessórios, fazendo do vestido no verão, a escolha mais refrescante.

Entre as várias opções de vestido fica fácil escolher a modelagem mais adequada para cada tipo de corpo.

O Vestido Perfeito

Avalie o seu físico e invista no vestido adequado.

Muito busto

Use decote alto e linhas retas pois enfatizam os ombros, diminuindo o volume do busto. Evite cintura alta ou alcinhas.

Cintura sem definição

Use recortes ou cinto acima da cintura. Ajuda a marcar a cintura.

Evite vestidos apertados na cintura e quadris.

Corpo de garoto

Use decotes em “V” abertos e drapeados formando volumes e sugerindo contornos mais arredondados ou vestidos estampados.

Evite modelagens justas ao corpo e sem detalhes.

Estômago saltado

Use vestidos com corte império, abaixo do busto, caimento reto ou chemise.

Evite tomara que caia ou modelos cinturados.

Peso ou quadris a mais

Use vestidos soltos, sem mangas ou regata, em tecidos macio, um só tom escuro ou neutro e decote em “v” pronunciado.

Evite vestidos justos, alcinhas finas, muito coloridos ou decotados.

Pequena (mignon)

Use vestido tubinho curto.

Alongam as pernas e o tronco

Evite modelagens volumosas, longas ou com muitas cores.

Os tipos de vestidos

Os estilos e vestidos que você precisa ter no seu armário 

Vestido envelope

Exemplo da praticidade que a moda está buscando. Envolve quem precisa de conforto e versatilidade. Veste bem todos os formatos femininos.

Como usar

Escolha modelos com tiras de traspasse finas para não criar volume se a opção for usar um cinto para mudar o look.

Os tecidos devem ser macios e finos para não aumentar o volume no traspasse. Escolha jérsei, tecidos com elastano, malha fria, visco lycra, oxfordine, algodão e jeans leves amaciados ou tecidos se seda em cores lisas ou com motivos geométricos.

Preocupação fundamental: a extensão do traspasse do pano superior com o inferior. Deve ter tecido suficiente que permita total liberdade de movimento com o mínimo de exposição.

Ao provar teste o conforto sentando e caminhando. O traspasse tem que manter coberta boa parte das pernas.

Corpo justo e saia godê simples ou evasê é um bom recurso de modelagem para quem tem quadris, bumbum ou coxas volumosas, especialmente com mangas curtas e uma pequena ombreira.

Use com camisetas justinhas ou top por baixo ou com as alças do sutiã a mostra

Use sobre o maio ou biquíni e como uma boa opção de modelagem para saída de praia.

Os vestidos envelopes se adaptam a maioria dos tipos físicos, só não sendo a melhor escolha para quem tem seios grandes ou ombros exagerados. O fechamento cruzado na parte superior destaca os seios e a linha horizontal dos ombros.

Perfeito para dar a sensação de uma linha elegante no pescoço pelo “V” que se forma no decote.

Onde usar

Com um paletó vira confortável roupa formal.

Com chinelos e bolsa de praia um curinga para compras no final da tarde ou visita para almoço ou jantar, mesmo na praia.

Em tecidos de algodão ou foscos é básico para toda a hora.

Em tecidos sedosos uma poderosa escolha para a noite. Nestes casos o traspasse não precisa ser tão perfeito.

Vestido Império

A cintura é deslocada para a parte superior do corpo.

Como foi moda na época de Napoleão, chama-se Império.

Este recorte abaixo do busto é um bom recurso de modelagem.

Como usar

Alonga a silhueta e as pernas e diminui o tamanho do corpo. O corte abaixo do busto é ideal para quem tem busto volumoso. Modelagens com corte evasê, tubo ou longe do corpo favorecem o corpo de quem tem quadris e coxas grossas.

Evite se tem o bumbum graúdo ou baixo.

Mulheres de pernas longas ficam desproporcionais com esta modelagem alongada.

Boa opção para as mulheres de pouca estatura. Tudo o que se aproxima do rosto compensa os centímetros a menos.

Onde usar

Em tecidos de algodão ou malha use em todas as horas. Em tecidos sofisticados como o crepe ou seda cai bem um decote. O busto fica supervalorizado com esta modelagem.

Opção para a praia e cidade, especialmente em modelos folgados ao corpo.

Vestido Tubo

Vestido campeão que não faz distinção de estatura por ter a forma simplificada de um tubo. Pode ser justo, largo curto ou longo, mas sempre uma boa escolha.

Como usar

Por ser de um formato tão simples precisa de acessórios para determinar a categoria e o estilo. Usado com tênis ou sandália baixa e bolsa de palha fica casual. Com alguns centímetros no salto e bolsa pequena é curinga para as noites de verão.

Equilibre o tubo com ombreiras discretas se tem quadris amplos. Use um pouco mais solto se tem barriga saliente e arrase no justo se o corpo está em forma.

Onde usar

Opção para a cidade e noite na praia.

Vestido lingerie ou de alcinhas (slip dress)

Tipo tubo, cortado em viés com ou sem detalhes em renda, os vestidos estilo lingerie são extremamente sexys.

Figurino ousado do cinema durante os anos 1950 onde toda a nudez era castigada, o vestido lingerie continua, mesmo depois da liberação sexual, como um fetiche -com a vantagem de ser uma opção muito refrescante.

Onde usar

Em malhas ou tecidos foscos é curinga de verdade.

Em tecidos sedosos ou molengas, para a noite é escolha para não passar desapercebida.

Aplique os tradicionais detalhes em rendas nos melhores lugares do corpo. Vão funcionar como setas direcionado o olhar, afinal esta definitivamente não é roupa para a missa de domingo.

Use também com camisetas justas por baixo. É tendência forte.

Como usar

De dia: com camisas brancas ou jeans, por cima de camisetas ou sutiã, deixando as alças à mostra. Use com casaco de malha tricô (tipo twin- set) paletós de couro, jeans ou sarja ou somente o vestido.

Use com tênis, sandália, tamanco ou botas cowboy.

Para noite misture com acetinados, veludos ou metalizados nos acessórios. Nos pés sandálias altas e delicadas.

Alças delicadas deixam os ombros maiores. Alças largas favorece seios volumosos e ombros grandes.

Misture vestidos lingerie com básicos do guarda roupa masculino como paletós ou mantôs.

Procure desenhos de alças criativas que descobrem e “vestem” com a idéia e costas decotadas.

Vestidinhos de alças podem também servir de saída de praia, especialmente se forem confeccionados com o mesmo material da roupa de banho

Perigo

Em busto volumoso ou baixo, colo maltratado, alguns quilos acima do permitido ou braços grossos, a não ser por baixo de paletó ou veste.

Capriche na produção para mostrar a todos os desavisados que o look lingerie é proposital e não a falta da roupa superior.

Vestido Chemisier

Na virada do século dezenove para o vinte, as sufragetes, feministas da época, lutando pelo direito ao voto (sufrágio), assumiram um figurino de batalha.

A revolucionária roupa escolhida era inspirada nas camisas masculinas opressoras: corte reto, gola esportiva e abotoamento de alto a baixo.

Rejeitando o estilo rebuscado do período e se livrando do espartilho, estas pioneiras alcançaram seus direitos e ainda colocaram no poder um candidato honesto, sóbrio, com uma pitada de sensualidade e que se mantém politicamente correto há mais de cem anos. O vestido chemisier está liberado para qualquer estatura, vestindo bem como as camisas que inspiram a modelagem.

O chemise (camisa), shirt dress ou chemisier, já vestiu muitas tendências, recheando os bolsos e a inspiração de muitos estilistas.

Coco Chanel, sempre pioneira, adaptou o modelo de protesto e criou em 1916, vestidos camisas soltos, com mangas compridas e cinto amarrado na cintura ou caindo nos quadris.

Jeanne Lanvin, outra famosa na época, desenhou um modelo de chemisier que se tornou a silhueta padrão nos anos 1920.

Na década de 1950 este vestido se tornou tão popular que ficou intimamente ligada as donas-de-casa. Por longo tempo ficou conhecido como “roupa de mãe”.

Da explosão dos anos 1960 a moda atual recebeu muitas referências, da estamparia Pucci, geométricos e optical-look até os tecidos sintéticos e o formato reto.

Chique, prático e elegante em modelagem solta ou ajustada, curta ou longa, com mangas compridas ou não, com ou sem cinto, para o dia e noite, o vestido chemisier é versátil e veste bem mulheres de qualquer estatura e tipo físico.

Retos, tipo túnica, disfarçam quadris largos e pouca cintura.

Como usar

A forma mais útil continua sendo com o corte reto, do ombro até a bainha.

Os colarinhos e os punhos devem ser macios, com o menor número possível de costuras, poucos bolsos, botões no tom do tecido, estilo camisa.

Os melhores tecidos são macios como a seda, jersey, malha de algodão, cambraia, linho, lã macia, jeans leves, tricô leve, fios mistos e microfibras. Tecidos que conseguem atravessar todas as estações.

A variação de acessórios muda o efeito e categoria da roupa. Cintos de couro ou rústicos para o dia e em cetim, metal ou pedras para a noite.

Use o chemisier com um top ou camiseta e botões abertos para o dia ou noite.

Use também com uma malha de gola roulé, levíssima por baixo.

Vestidos chemisier são espetaculares para usar por baixo do paletó.

Regule os botões da saia e da blusa de acordo com o ambiente.

Fechados em lugares formais e durante o dia, e com botões abertos a noite.

Use-os também como casacos (over) leves sobre vestidos de alças ou tomara que caia.

Echarpes e lenços combinam perfeitamente com estes vestidos.

Vestido avental

É perfeito para quem tem pouco busto e cintura fina.

Com saia longa ampla ou godê disfarça quadris e coxas volumosas. Deve ser evitado pelas baixinhas. 

Vestido Frente única

Modelos com frente única destacam os ombros e suavizam a linha dos quadris, sendo indicado com saias godê inclusive para quem têm quadris graúdos.

Vestido Quadrado

Vestidos sem as formas definidas do corpo favorecem a todos os tipos físicos, desde que não crie volume desnecessário.

Inspirados no estilo geométrico dos anos 1960, esta é uma boa opção também para as mulheres baixinhas.

Vestido justo com drapeados

Drapeados ampliam volumes exigindo bom senso na localização. Se o busto é pequeno o efeito aumenta. Se os quadris são volumosos o drapeado também aumenta.

Evite em áreas onde a natureza já providenciou volumes naturais.

Vestido “A “ (ou trapézio)

Opção para todas, favorecendo especialmente quem está fora de forma e também para as baixinhas e tamanhos grandes.

Vestido cintura baixa

Disfarça cintura grossa e barriguinha saliente.

Evite se tem pernas curtas ou bumbum baixo.

O comprimento certo nos vestidos

Centímetros fazem diferença na hora de definir a altura certa das bainhas.

As de baixa estatura devem marcar do joelho para cima.

As que usam tamanho grande ou mulheres com quadris ou coxas grossas devem medir os comprimentos do joelho para baixo alongando a silhueta.

As de pernas grossas devem localizar a bainha na parte mais delgada da perna e as de pernas finas no local com mais volume.

As tendências para o verão 2019/20