Desiguais na Moda

Usar brincos diferentes descombinados um em cada orelha agora é trend

Brinco Ca & Lou, € 200 (Foto: Divulgação)

Já houve o estilo “brincos igual ao colar”, “brinco solitário, “piercings” e na busca de mostrar novidades a moda de acessórios divorcia os brincos para que cada um ganhe seu brilho próprio.

De quebra, uma ótima desculpa para voltar a usar aquela peça que adorava, mas perdeu um item do par.

Nas coleções verão 2016/17  Céline e Loewe descombinaram os brincos e criaram uma tendência que se repetiu na São Paulo Fashion Week 2017

Loewe, verão 2016 (Foto: Divulgação)

A São Paulo Fashion Week e alguns desfiles internacionais mostraram conjuntos de brincos um diferente do outro.

Os brincos "descombinados" de Eddie Borgo (Foto: Reprodução/Instagram)

A ideia também foi destaque na coleção de inverno 2017 do designer americano Eddie Bogo, que apostou no “par” descombinado de brincos, mas ambos seguindo uma mesma linguagem e com inspiração no espaço sideral – mostrando um jeito discreto de entrar na onda.

Como coordenar com outras bijuterias ou joias no mesmo look

Loewe (Foto: Divulgação)

 Descombinar a peça virou moda, após aparecer como proposta nas passarelas de verão 2016/17 da Céline e Loewe.

A joalheira carioca Silvia Blumberg, conhecida pelos projetos de biojoias sustentáveis, adora brincos desiguais e já criou muitas peças com este conceito. Conforme Silvia, “as peças precisam conversar  entre si com  uma conexão visual e de materiais no design e é preciso personalidade para usar as peças. No casamento da minha filha fiz um par de brincos e cada um tinha pedras diferentes porém no todo havia uma harmonia e um significado artístico já que brincavam com a estampa do vestido”. Muitas clientes procuram Silvia para criar novas propostas para brincos que perderam o par na loja do Fórum Ipanema, no Rio de Janeiro.

O designer de jóias Alberto Sabino sempre curtiu brincos diferentes um do outro e já criou alguns.

Muitos dos seus colares são assimétricos. É uma de suas características.

“No caso dos brincos gosto que haja um link entre eles. Digamos, numa brincadeira, que não são irmãos gêmeos idênticos, mas são da mesma família. Pra que haja impacto neste visual penso que todo o destaque no rosto deve ser dado a eles, que seriam as estrelas dos acessórios usados. Sei que alguns criadores usam brincos completamente diferentes, mas não é minha preferência. Isto me parece mais um delírio sazonal com um tempero de marketing. Poucas mulheres têm atitude pra este look. É preciso um estilo muito especial pra um bom resultado. Brincos únicos, coordenados com um outro lado de apenas um pequeno detalhe ou múltiplo (pra quem tem vários furos) também têm sido criados por mim. Nesta última Coleção foram escolha de clientes como Gisela Markenson (foto), Angie Diniz e Eneida Helenna, que são mulheres que gostam de grandes peças ou curtem a moda alternativa e têm a descontração e liberdade pra usá-los.Pra acrescentar com um toque de humor, “mixmatched earrings” podem ser uma ótima opção pra algumas mulheres que vivem perdendo um dos lados dos brincos. Agora elas têm o aval da Moda “, comentou Alberto para o blog.

A marca gaúcha “Menina Morena”  que tem Rosangela Damian Souza na criação, celebrou esta moda desigual, já que a queixa mais frequente das suas clientes sempre foi o de perder um brinco de um conjunto que amavam.

“Nesta tendência usei peças clássicas que elas gostam muito como as perolas  de cores diferentes e tamanhos diferentes e a mistura de brincos alongados e argolas que nunca saem da moda em qualquer estação. Fiz também a mistura das linhas geométricas nestes brincos pois libera as mulheres na hora da escolha.Misturei madeira, peças de bijuterias e pedras sintéticas para fazer um brinco e o outro brinco usei uma peça como a filigrana completamente diferente para compor o look”.